quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Longe vai o tempo...


Longe vai o tempo
Arrastado pelo vento
Em cantigas de embalar

Dançando à luz da lua
Como se a rua fosse sua
Rodopia sem parar

Longe vai o tempo
Da dor e do tormento
E do ter que calar…

Num silencio oprimido
De um povo tão sofrido
Por um "Abril" desejar.

1 comentário:

Filipe Entradas disse...

um poema curto e simples, mas cheio de significado, principalmente numa altura em que a recordação se torna vaga, talvez pelo tempo que passou, talvez por intenção de alguns. acho que nunca se deveria esquecer abril, apesar de nao ter vivido essa epoca, é algo que imortalizo em mim. "Que me tirem todos os preciosismos desta vida, mas não me roubem a unica coisa que realmente faz sentido, a liberdade..."