terça-feira, 29 de setembro de 2009

A "Bolacha Piedade"


Há muitos anos atrás…
Mesmo antes de Setúbal ser elevada a Cidade
Nascera no seio de uma família
A apetitosa “Bolacha Piedade”

Era em alguidares de barro
Habilidosamente amassada
Pela força de braços estendida
Entre uma e outra fornada

Vendia de rua em rua
O miúdo do tabuleiro
Ainda não era avistado
Mas já lhe sentiam o cheiro

Estaladiça e tão perfumada
Lá se dava a conhecer
Mais tarde foi divulgada
Por uma grande, grande Mulher

Maria Piedade
Uma mulher sem vaidade
Mas com razões para o ser
Fez desta Bolacha a sua bandeira
Dedicou-lhe a vida inteira
E deu-lhe as asas para crescer

Lindo o desfile de cestos
A caminho da Avenida
Corre para a feira de Santiago
A sua menina querida

P´la Cidade foi distinguida
E p’lo D. Duarte elogiada 
Viaja além fronteiras
Esta delicia tão cobiçada

E hoje a tradição é mantida
Em todos os eventos da Cidade
È o segredo de uma vida
A nossa “Bolacha Piedade”.
******************************************************************************
(Homenagem á  "Bolacha Piedade". Uma tradição Setubalense com grande procura. O  segredo...esse, está muito bem guardado pela minha famíla desde 1855. 
Á minha avó materna Maria Piedade,  agradecemos o facto de ter dado continuidade a esta tradição, que já faz parte da história da nossa Cidade.)

8 comentários:

Irene Abreu disse...

Como é bonito, saudável e enternecedor, dar a conhecer ao mundo estes pequenos tesouros.
Adorei.
Um grande beijo de admiração.

MACAU BANGKOK O MAR DO POETA disse...

Estimada Amiga e Ilustre Poetisa,

Tendo vivido em Portugal cerca de 18 anos, e ter trabalho numa fábrica, Ttan, seu nome, onde se confecionavam vários tipos de bolachas, só através deste seu belo poema fiquei a conhecer as bolachas Piedade.

Pena foi que na minha juventude não tivesse tido o prazer de me deliciar com elas, fiquei-me somente com as Marias e as Torradas.

Um abraço amigo destas terras exóticas da Tailândia.

E o meu muito obrigado por me ter dado a conhecer a Maria Piedade.

Osvaldo disse...

Olá Paula;

Confesso que não conhecia essas bolachas, mas como parti para o Brasil ainda criança, não tive a oportunidade de as provar...

Mas pela bela poesia a elas (as bolachas) dedicada,certamente que seriam e pelo visto continuam a ser, uma verdadeira delicia.

bjs, Paula.
Osvaldo

Gui disse...

Devem ser uma delícia. É óptimo, direi mesmo que é imprescindível não deixar morrer as nossas jóias tradicionais, neste caso a doçaria.
Um beijo amigo e obrigado pelas palavras de ânimo que me deixaste. Ben hajas.

Vieira Calado disse...

Os segredos são para guardar.

Não faltava mais nada do qe os oportunistas se aproveitasse..

Bjs

Ailime disse...

Muito interessante e bela a forma como conta a história da Bolacha Piedade!
Quando visitar Setúbal não me esquecerei de "provar" essas maravilhosas Bolachas que serão certamente um orgulho para a vossa Família.
Um beijinho.

Anónimo disse...

E hoje a tradição é mantida
Em todos os eventos da Cidade
È o segredo de uma vida
A nossa “Bolacha Piedade”.

Imagino o prazer que te deu escrever estes 4 versos !!...

Há 40 e tal anos (pelo menos) que uma das tradições da minha familia por altura da Feira, é exactamente ir comprar bolacha da Piedade, e depois saboreá-la durante várias semanas ...


Estava longe de pensar que ia ter o prazer de conhecer esta familia.

Já temos a nova geração ? Que tudo corra bem. Um beijo da familia Pereira para vocês.

Eduardo Pereira

Ailime disse...

Obrigada amiga pelo carinhoso comentário que deixou no meu catinho.
Bem-haja.
Volte sempre.
Um beijinho.